Plástica Tocantins Plástica São Paulo Plástica Paraná Plástica Pará Plástica Maranhão Plástica Mato Grosso do Sul Plástica Bahia Plástica Alagoas Plástica Acre Plástica Espirito Santo Plástica Piauí Plástica Mato Grosso Plástica Ceará Plástica Minas Portal Plástica Sergipe Portal Plástica Pernambuco Portal Plástica Rio Plástica Santa Catarina Plástica Rondônia Plástica Paraiba Plástica Rio Grande do Sul Plástica Amazonas Plástica Amapá Plástica Rio Grande do Norte Portal Plástica Goiás Plástica Roraima Plástica Brasília

CIRURGIA MICOGRÁFICA DE MOHS


O câncer de pele está cada vez mais predominante, e estima-se que cerca de 20% da população mundial desenvolverá câncer de pele em sua vida. Felizmente, o câncer de pele tem uma alta taxa de recuperação e raramente é letal quando diagnosticado e tratado desde o início. Para determinados tipos de câncer de pele, o tratamento reconhecido como tendo a mais alta taxa de cura é conhecido como cirurgia micrográfica de Mohs, ou simplesmente cirurgia de Mohs. A técnica de cirurgia de Mohs remove progressivamente o tecido canceroso ao mesmo tempo que preserva ao máximo possível de tecido saudável.

3D Animation

Os benefícios da cirurgia de Mohs em comparação com a excisão local tradicional

Ao contrário dos tratamentos de câncer de pele que podem remover grandes quantidades de tecido sadio enquanto extirpam o câncer, sistematicamente a cirurgia de Mohs remove o câncer em incrementos para preservar o tecido sadio. As seções de tecido removido são examinadas em um microscópio para detectar a extensão do câncer. Se o câncer parecer estender-se para além dos limites do tecido removido, a remoção e análise continuam até que todo o tecido canceroso seja erradicado. Não raro, as lesões de câncer de pele podem ser enganosas; o que parece ser uma pequena lesão na superfície da pele pode ramificar com extensões como raízes nas camadas mais profundas do tecido. O exame sistemático com um microscópio permite que o médico determine exatamente até que ponto o tumor se estende, minimizando assim a remoção de tecido saudável.

Os benefícios da cirurgia de Mohs em comparação com a excisão local tradicional

Indicações

A técnica de cirurgia de Mohs não é usada para todos os cânceres de pele; normalmente, é reservada para os cânceres de pele que têm um alto risco de reaparecimento ou para os cânceres de pele que reapareceram. A cirurgia de Mohs é também realizada para remover cânceres que existem entre o tecido cicatricial, grandes lesões cancerosas, cânceres de pele demonstrando um rápido crescimento, e quando as margens do câncer de pele não estão claramente evidentes. O procedimento é uma opção para o carcinoma de células escamosas ou basais e, de vez em quando, pode ser realizada em melanomas selecionados. Tem uma alta taxa de sucesso, especialmente no caso de carcinomas basocelulares. A cirurgia de Mohs é também a opção preferida para a remoção de câncer de pele de áreas como a face, mãos, pés e genitais, onde preservar a máxima quantidade de tecido sadio é importante para manter a função ou evitar a cicatriz antiestética.

Indicações

Procedimento (A)

No início do procedimento, o médico cria um esboço de referência do câncer visível e da pele em volta. Em seguida, a área afetada é marcada e anestesiada com um anestésico local. O tumor visível é extirpado usando-se ou um dispositivo com forma de concha, conhecido como cureta, ou outro instrumento cirúrgico. Uma vez que o tumor visível seja removido, o médico cortará uma fina camada de tecido subjacente do local do tumor para examiná-lo e determinar se o câncer se estende além da excisão. Essa camada de tecido é cortada em seções e as bordas são codificadas por cores com uma variedade de pigmentos, assegurando que o tecido possa ser corretamente orientado e mapeado. A área da excisão é enfaixada, e o paciente será levado para a sala de espera, enquanto o tecido é preparado e examinado.

Procedimento (A

Procedimento (B)

As seções de tecido removidas são congeladas e toda a borda e parte de baixo de cada seção são cortadas em fatias finas e colocadas sobre lâminas de microscópio. Os centros das seções de tecido não precisam ser examinados, uma vez que já foram removidos e o objetivo é identificar se algum câncer se estende para o tecido não cortado. Os cortes são pintados para tornar as células cancerosas identificáveis e, em seguida, cuidadosamente examinados. Se seu médico determinar que as células cancerígenas se estendem até a borda de qualquer fatia, a área é identificada no mapa de referência e outra camada de tecido é removida dessa área. Esse procedimento de remoção e análise continua até que nenhuma outra evidência de câncer seja encontrada. Duas ou três etapas desse processo são típicas, mas os pacientes podem precisar de várias excisões, dependendo do quão extensivamente o câncer se espalhou.

Procedimento (B)

Conclusão

Toda a cirurgia de Mohs é, geralmente, realizada em uma única sessão e pode durar várias horas. Uma vez que o tecido canceroso seja erradicado, a lesão é fechada e enfaixada. Uma lesão pequena e superficial pode cicatrizar por si só, enquanto que uma lesão maior será fechada com suturas. Para uma lesão muito grande ou uma em uma área cosmeticamente sensível, como o rosto, uma borda de pele pode ser puxada sobre a lesão ou um enxerto de pele pode ser necessário para reconstruir a área da incisão. Entorpecimento temporário, compressão e sensibilidade são normais durante a recuperação da cirurgia de Mohs, também podem ocorrer leve inchaço e hematomas. Para minimizar as cicatrizes após a cirurgia de Mohs, siga as instruções de seu médico. A cirurgia de Mohs é um meio altamente eficaz para remover o câncer de pele ao mesmo tempo em que preserva o máximo possível de tecido sadio, minimizando com isso as cicatrizes e alcançando uma alta taxa de cura. Consulte seu médico para saber se a cirurgia de Mohs é ideal para você.

Conclusão

Cadastre-se para receber nosso informativo por e-mail
nome:
e-mail:

 
Dr. Getúlio Duarte
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 750077
RQE: 22119
NITERÓI
Dr. Álvaro Cansanção
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 139235
RQE: 10376
RIO DE JANEIRO
Dr. Carlos Queiroz Henriques
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 302220
RQE: 9051
RIO DE JANEIRO
Dra. Maiéve Corralo Grando
Cirurgiã Plástica
CRM-RJ: 803880
RQE: 18111
RIO DE JANEIRO
Dr. Ricardo Drummond
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 643351
RQE: 12934
RIO DE JANEIRO
Dr. Edmar da Fontoura
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 229730
RQE: 682
RIO DE JANEIRO
Dra. Denise Vilas Boas
Cirurgiã Plástica
CRM-RJ: 52711071
RQE: 18112
RIO DE JANEIRO
Dra. Cristiane Todeschini
Cirurgiã Plástica
CRM-RJ: 716197
RQE: 15208

Dr. Flávio Rezende
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 827797
RQE: 22220
RIO DE JANEIRO
Dra. Caroline Vieira
Cirurgiã Plástica
CRM-RJ: 732770
RQE: 23048
Niterói
Dr. Leonardo Christaldo Araujo
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 637190
RQE: 13073
RIO DE JANEIRO
Dr. Deyse Aparecida Cunha De Araujo
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 52.45620-9
VOLTA REDONDA
Dr. Nadia De Rosso Giuliani
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 146558
NITERÓI
Dr. Karina Mendes Vanzan
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 5263383-6
RQE: 9866
RIO JANEIRO
Dr. Jose Paulo Da Silva Massiere
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 29438
RQE: 1903
NITEROI
Dr. Philip Yin Vieira Borges
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 52825743

Dr. Ricardo Francisco Pieranti
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 172050
RQE: 9286
RIO DE JANEIRO
Dr. Antônio Joaquim Gabriel Neto
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 193654
RQE: 2118
RIO DE JANEIRO
Dr. Luiz Cesar Boghossian
Cirurgião Plástico
CRM-RJ: 262324
RQE: 3695
RIO DE JANEIRO
Listar Todos

Cirurgia Plástica é Com Cirurgião Plástico
Pesquisa Google
Cirurgias Plásticas
ABDOME - ABDOMINOPLASTIA CLÁSSICA ABDOME - ABDOMINOPLASTIA EM ÂNCORA ABDOME - ABDOMINOPLASTIA MINI
ABDOME - LIPOABDOMINOPLASTIA ABDOME - LIPOASPIRAÇÃO ÁCIDO HIALURÔNICO
ACNE - TRATAMENTO A LASER BIOPLASTIA BRAÇO - LIPOASPIRAÇÃO
BRAÇO - PLÁSTICA CABELO - EXPANSÃO DO COURO CABELUDO CABELO - REDUÇÃO DO COURO CABELUDO
CABELO - TRANSPLANTE CAPILAR CERATOSES CICATRIZES
CICATRIZES - TRATAMENTO A LASER CICATRIZES - TRATAMENTO CIRÚRGICO CIRURGIA CIRCUNFERENCIAL (360º)
CIRURGIA MICOGRÁFICA DE MOHS CISTOS COLÁGENO
CORPO - LIPOESCULTURA COXAS - IMPLANTE COXAS - LIFTING
COXAS - LIPOASPIRAÇÃO CRÂNIO E FACE - DEFORMIDADES CONGÊNITAS CRANIO MAXILO FACIAL
CULOTE - LIPOASPIRAÇÃO DEPILAÇÃO A LASER ESCLEROTERAPIA - REMOÇÃO DE VEIAS COM LASER
ESTRIAS - TRATAMENTO A LASER FACE - LIFITING DO TERÇO INFERIOR FACE - LIFITING DO TERÇO MÉDIO
FACE - MINILIFTING FACE - PLÁSTICA FACE - REJUVENESCIMENTO POR FIOS(RFA-ROUND BLOCK)
FISSURAS LÁBIO PALATO GLÚTEOS - LIPOASPIRAÇÃO GLÚTEOS - LIPOENXERTIA
GLÚTEOS - PRÓTESE HEMANGIOMAS HIPERIDROSE AXILAR
IMPLANTES DE BOCHECHA - MALAR LIFTING TESTA - CORONAL LIPOMAS
MAMA - IMPLANTE DE SILICONE MAMA - MAMOPLASTIA DE REDUÇÃO MAMA - MAMOPLASTIA DE REDUÇÃO VIA AXILAR
MAMA - RECONSTRUÇÃO APÓS MASTECTOMIA MAMA - SUSPENSÃO MAMA - SUSPENSÃO COM IMPLANTES
MÃOS - REJUVENESCIMENTO A LASER MÃOS - REJUVENESCIMENTO ENXERTO DE GORDURA MICRODERMOABRASÃO
NARIZ - RINOPLASTIA ABERTA NARIZ - RINOPLASTIA FECHADA NINFOPLASTIA - CIRURGIA ÍNTIMA FEMININA
NINFOPLASTIA - CIRURGIA ÍNTIMA MASCULINA OLHEIRAS - TRATAMENTO A LASER ORELHAS
ORELHAS - SEM CORTE ORTOGNÁTICAS PÁLPEBRAS - INFERIORES (EXTERNA)
PÁLPEBRAS - INFERIORES (INTERNA) PÁLPEBRAS - OCIDENTALIZAÇÃO PÁLPEBRAS - SUPERIORES
PANTURRILHA - PRÓTESE PEELING QUÍMICO MÉDIO PEELING QUÍMICO PROFUNDO
PEELING QUÍMICO SUPERFICIAL PEITORAL - GINECOMASTIA PEITORAL - PRÓTESE MASCULINA
PESCOÇO PESCOÇO - LIPOASPIRAÇÃO PROTETOR SOLAR
QUEIMADURAS - CIRURGIA REPARADORA QUEIXO - IMPLANTE PRÓTESE QUELÓIDES - TRATAMENTO A LASER
QUELÓIDES - TRATAMENTO CIRÚRGICO REJUVENESCIMENTO DE PELE COM LASER RUGAS - TRATAMENTO A LASER
SINAIS - RETIRADA SOBRANCELHAS - IMPLANTE CAPILAR TESTA - LIFITING
TESTA - LIFITING COM ENDOSCÓPIO TORSOPLASTIA TRANSFERÊNCIA DE GORDURA
TRATAMENTO DE RUGAS TRATAMENTO DE TELEANGIECTASIAS TUMORES DE PELE - TRATAMENTO CIRÚRGICO
VERRUGAS
Movimento Nacional de Valorização da Cirurgia Plástica